Curso de Planejamento e Apresentação de Palestras da SBP oferece desconto de R$ 300

ead5

 

O Curso EAD Basic Speaker (online) para Planejamento e Apresentação de Palestras da Sociedade Brasileira de Palestrantes está com desconto imperdível!

O valor original do curso é R$ 690 e até esgotarem as vagas em promoção estará apenas R$ 390

Embora o nome do curso seja “Basic Speaker” (Palestrante Básico), o conteúdo programático oferecido ao aluno é bastante consistente e aprofundado.

A capacitação possui um total de 13 horas, com 10 módulos sequenciais e 03 instrutores qualificados, distribuídos em videoaulas e exercícios complementares.

Os cursos da SBP valorizam a autenticidade e não oferecem receitas prontas, mas um método de aprendizagem eficiente com as melhores ferramentas e técnicas adequadas.

Caberá a você colocá-las em prática. Você vai ajustar este conhecimento ao seu próprio estilo e personalidade.

O objetivo é oferecer ao aluno um conteúdo diferenciado que transmita todos os aspectos fundamentais para o desenvolvimento da carreira de palestrante profissional.

Capacitar o aluno para enfrentar com serenidade e eficiência a atividade de orador e palestrante.

 

>> Mais informações: EAD Basic Speaker

 

EAD (Educação à Distância):

O curso é realizado todo online, em videoaulas disponibilizadas através de uma plataforma digital na internet.

Você pode acessar os vídeos quantas vezes quiser até realizar a prova de cada módulo.

 

ead4-tile

 

PAGAMENTO:

Para realizar o curso você deve fazer sua inscrição no site:Promo

O pagamento pode ser feito em até 6x sem juros nos cartões de crédito ou à vista no boleto com + 10% de desconto, através do PAGSEGURO.

 

Contato:

Email: gerenciaeventos@sbpalestrantes.com.br

Whats app: 51 99339-0474

Read more

Cursos de formação docente à distância concentram 50% dos calouros

note[28-03-2016]

 

Metade dos calouros (49,8%) dos cursos de formação de professores – como licenciaturas de letras, história ou matemática – entrou em uma graduação a distância (EaD). Isso é o que revela o censo do ensino superior no País de 2014, último com dados disponíveis. A tendência de aumento se confirma desde o começo da década, mas é a primeira vez em que há equilíbrio de ingressantes entre as modalidades presencial e a distância. Foram mais de 512 mil novos alunos nos dois formatos.

O aumento da fatia de EaD foi significativo em relação ao ano anterior, quando a proporção era de 35,4%. Segundo especialistas, o avanço rápido está relacionado, principalmente, à chegada de um público de alunos mais velhos, que já trabalham no ensino básico, mas não têm diploma. Os cursos online também são considerados estratégicos para atender a regiões em que há déficit de docentes. Há, porém, ressalvas sobre a qualidade dos cursos.

O avanço de um ano para o outro, segundo o MEC, revela a consolidação do modelo.

Para os estudantes, o ensino online é uma alternativa mais prática e econômica. “A comodidade é importante. Ainda mais em São Paulo, em que as distâncias são grandes e o trânsito é ruim”, diz Adriana Costa, de 42 anos, aluna de Letras EaD. “Muitos me falaram para não fazer porque o ensino seria ruim. Tem sido o contrário. Estudo mais do que no presencial.”

Paula Cristina Fernandes, de 38 anos, recomenda cuidado na escolha. “Quando entrei em Pedagogia a distância, mal falava com o tutor. Demorava 20 dias para responder um e-mail. O material também era bem fraco, desatualizado”, conta Paula, que já havia abandonado um curso presencial por dificuldades financeiras.

A estudante resolveu insistir e, no ano passado, ingressou em outra graduação de Pedagogia, também online. Agora, está satisfeita. “É preciso pesquisar bastante para encontrar o curso bom, saber como são as disciplinas, os professores, a estrutura”, diz ela, que já trabalha em uma creche pública em Arujá, na Grande São Paulo.

Especialista em Políticas Educacionais da Universidade Estadual Paulista (Unesp), João Cardoso Palma Filho diz que é preciso aperfeiçoar a regulação da EaD. “É importante ter mais rigor ao avaliar. A graduação a distância não é necessariamente ruim, mas depende de como está estruturada”, diz Palma, que integra o Conselho Estadual de Educação.

 

Fonte: Educação UOL